Você partiu, mas tá tudo bem

Você partiu,

Mas por mim tudo bem… Estava na hora de esvair minha mente com algo novo que eu adoraria te contar ou com alguns daqueles planos do passado que eu compartilhei contigo.
Você partiu,
Mas por mim tudo bem… Comecei a fumar o dobro de cigarros que antes, o que vem me causado uma náusea imensa todas as noites, me despertando o desejo de tentar parar mais uma vez com o vício.
Você partiu,
Mas por mim tudo bem… Minhas lágrimas noturnas me renderam excelentes rimas non sense sobre amor e travesseiro.
Você partiu,
Mas por mim tudo bem… Agora aprendi a sentir um samba triste ao invés de só escutá-lo.
Você partiu,
Mas por mim tudo bem… Em meio a minha solidão e resistência de recomeçar eu aprendi coisas incríveis como sentir saudades de quem está vivo.

Continue reading “Você partiu, mas tá tudo bem”

Precisamos falar sobre Kelvin

Precisamos falar sobre Kelvin

A gente tem uma temperatura de pele incontrolada. Não podemos habitar o mesmo espaço, sem evitar abraços e afagos. Você me pergunta se isso é saudável para nós. Eu também não sei. Quero o que tivemos, quero a leveza e a sinceridade da paixão descomprometida. Era bom. Foi. Você me olha com olhar de apaixonado, mas eu sei que sou apaixonante e você também se apaixona fácil. Percebo o mesmo sobre você. “O melhor”, elas disseram. Não discordo. É difícil escrever sobre algo inacabado, diante desse meio com linhas desfiadas. Você não consegue me dizer o que quer. Não quero controlar o roteiro, só vivê-lo. Mas falta gás, falta cor. Volume. Quero ondas. Brisa do mar com aroma de melancia. Sim, melancia. Eu estou seca do seu silêncio, preciso dessa fruta fluída para hidratar o corpo. Quero água corrente misturada com chama flamejante, quero juntar as temperaturas de pele e chegar a uma escala bonita para nós dois, que dá para ir e voltar com fogo ardente. Não seja ausente. Detesto esse seu jeito incapaz de lidar com sentimentos. Você que tanto escreve e sente, por que se cala? Eu preciso achar novas temperaturas como a sua, mas sem tantas oscilações que só me ferem. Nosso Kelvin deveria permanecer em zero absoluto.

We have a ocean

Foto: Ana Luiza Calmon

Coração do mar é terra que ninguém conhece – Oswald de Andrade

– Your hair has waves, just like the ocean.

Foto: Ana Luiza Calmon

Sabe, não imaginava que um loiro com olhos cor azul cinza fosse me encantar. Seu olhar reflete a água da Irlanda. Flui. Corre. Percorre. Transpassa pelo seu sorriso, seu sotaque, seu curto, porém musculoso corpo. Nunca havia te visto, mas sinto que já nos cruzamos. Temos aquela sintonia de pronunciar frases idênticas ao mesmo tempo, na mesma respiração. Depois rimos de nós mesmos. Coincidência.

Continue reading “We have a ocean”

Eu amo o que acredito que você cause em mim

 

 

    (Foto: Tumblr)

 

A manhã dá as caras, e me escancaram no espelho mais uma noite mal dormida, olheiras profundas e o desejo de uma alforria inalcançável.

Talvez eu devesse parar de fumar, ou até ler menos, esses fatores principais da minha personalidade são as que mais destroem minha pele e meu sono. A minha cabeça trovoa, talvez se você estivesse aqui eu saberia silenciar minha mente insana com o timbre da tua voz, ou  umas caminhadas pelas ruas da augusta me deixariam mais leve,mesmo me lembrando com nostalgia um passado recente que tanto me tortura.

O cigarro que citei no começo do texto já se faz aceso novamente, minha cabeça cigana circula por entre portas e janelas, as nuvens me fazem pensar em tudo que eu já fiz na minha vida, tento entender meus desejos e controlo minha vontade de me atirar na vida e quem sabe gritar seu nome, ou talvez caçar o seu perfume em algum outro corpo por aí.

Construir mais um texto sem padrões, sem métrica, sem rima, sem coesão, talvez minhas linhas sejam só agudas como um reflexo do meu próprio eu, talvez meu negócio seja o estrago, a bagunça, a tara por algo que eu nem sei o que.

Escrevo a você porque supostamente a sua presença é o que existe de mais sutil e ligeira em minha vida, a bagunça dos meus vícios, e a ilusão de uma calmaria. Eu não te amo, eu amo o que eu acredito que você cause em mim, e eu nem ao menos sei qual o sentido de tantas linhas tortas às 10h59 da manhã, eu só sei que preciso escrever para me manter acordada em meio a fuligem, e as obrigações do cotidiano.

Já dizia Rubi:

“Se teu amor te pesa mais que o mundo que carregas: degela-o e deixa-o beber os deltas”

A Solidão foi uma escolha que eu sempre fiz, mas sempre relutei com os meus próprios princípios. Eu me amo, eu me admiro, eu me conheço, mas os  freaks pela marginalidade que me habitam, confundem e me transtornam. Talvez você possa vir aqui para fumarmos um cigarro, e tomarmos um café como nos velhos tempos, eu finjo que não te conheço, e talvez não conheça mesmo mais.

Acho que minha vida é uma inspiração de Baden, e você é  meu samba triste, talvez o destino seja rimas tortas de amor e travesseiro que nunca farão sentido pra ninguém.

A penumbra é o consolo da almas solitárias que esquecem ter sangue circulando nas veias, que se escondem atrás de seus próprios descaminhos, nos salve do fim, ou engula minhas linhas aleatórias, dificuldades com vírgulas e crases por mais umas centenas de textos.

Um amor intenso e livre como eu

 

 

(Imagem: Tumblr)

Sabia que a cada dia que passa eu me torno mais apaixonada por você? Cada detalhe seu me encanta, a sua cara séria enquanto dirige, a sua boca bem desenhada pelo meu corpo, a maciez da sua pele contra a minha, a delicadeza dos seus traços, o cheiro suave de perfume do seu cabelo e contrapartida ao teu cheiro de homem do restante do corpo.

O seu beijo amoroso na minha bochecha até o seu beijo faminto quando me pega com desejo.

Me sinto perdida nos teus braços,  na ânsia de naufragar em você inteiro e de me agarrar nos teus cachos como uma tentativa de provar a mim mesma que tudo isso não é um sonho.

Sinto você em mim quando fecho meus olhos, e meu corpo estremece quando te vejo parado em meu portão com esses olhos profundos de menino.

Eu não me encontro em outro abraço,  nunca me encontrei em outro beijo e não sei lidar muitas vezes com as neuroses que o medo de te perder me traz.

Quero você como meu menino, meu homem, sem metades. Não me tire dos teus braços e nem dos teus pensamentos, preciso de você desesperadamente como uma necessidade básica, como um fruto maduro que que não aguenta o próprio peso em si e se derrama pelo o chão.

Teu peito é o meu chão, a segurança que eu preciso para continuar, para não me derramar, para não chegar ao fim.

Eu te amo por tudo aquilo que se atreve a ser teu, tudo que não te pertence, tudo que te constrói. E te amo mais ainda por esse sentimento não me podar de ser eu mesma.

Imagem: Pexels/reprodução

A Filha do Vento

Imagem: Pexels/reprodução
Este é um texto em prosa inspirado pela música “The Blower’s Daughter”, de Damien Rice. Para uma experiência mais completa, leia enquanto escuta o player no final do post. Você também pode ler a tradução aqui.

Depois de tanto tempo, foi engraçado perceberem naquela reunião que continuavam os mesmos. Haviam tido um rápido mas marcante encontro anos antes. E aquele dia parecia, se não um flashback, uma remontagem com a essência original.

Tudo bem, as mudanças eram grandes. Além de não estarem mais juntos, ele encontrara uma nova pessoa que o fazia muito bem. Como ela previra à época do rompimento, ele superou e soube tocar a vida como antes dela.

Já ela mantinha o mesmo espírito. Sempre fora livre. Agora ainda mais, já que ele fora o último homem a quem se ligou com alguma amarra.

Mas algo mantinha-se. E ele sentia culpa por ter de admitir que superara, mas não a esquecera. Vê-la reavivou o sentimento apenas adormecido dentro dele.

O reencontro se deu no litoral, na praia onde costumavam frequentar em períodos diferentes, um sem saber do costume do outro. E a inevitável coincidência aconteceu. Chegava a ser estranho que ambos tenham ido à costa em pleno inverno.

Mesmo estando ao lado da noiva, para ele foi inevitável se distrair ao vê-la. Gastou um pouco de seu tempo para apresentá-las, e todo o resto relembrando o passado e se inteirando sobre a vida da ex-namorada.

Ele podia ver em seus olhos que ela conseguira o que tanto queria, que seu espírito voava livre. Mas também notava que faltava algo… Um brilho… Faltava-lhe amor?

Mas o que fosse, ele não podia fazer nada. Ela fizera sua escolha. Entre pertencer a ele e não pertencer a ninguém, escolhera a segunda opção.

E ele podia perceber isso enquanto ela era a única a mergulhar nas águas gélidas do mar, sem medo. De fato, em nada ela se parecia com os outros.

Assim era ela… De alma solta, tanto que era impossível pegá-la. Afinal, era a filha do vento. E o vento não se prende.

A namorada louca?

a namorada louca
Foto: Tumblr

Eu sinto ciúmes, portanto sou louca.

Sou neurótica, crio paranoias, sinto medo de perder, tenho medo do futuro e de estar fazendo tudo errado.

Tenho dificuldades de te imaginar com outro alguém, portanto sou louca.

Sou super a favor do poliamor, desde que seja bem longe do meu relacionamento.

Uma típica louca.

Meu ciúme não me faz ter ódio de outras mulheres, apenas me deixa insegura comigo mesma, louca.

Sou namorada louca que provavelmente muitas pessoas falam mal pelas costas, até porque a culpa vai ser sempre minha, da namorada.

Pense em um homem com as mesmas inseguranças e atributos que eu, ah ele será normal, apenas, amará demais sua companheira. Ou então a culpa vai ser da namorada pelos ciúmes do parceiro, ela deve provocar…

Imagine se um homem ficasse agressivo com uma curtida de um ex no facebook da companheira, quem seria o culpado?

Lógico que a namorada, porque de qualquer forma a loucura segundo a sociedade não é pertencente ao mundo masculino, mas o amor sim.

Um homem pode amar sentindo ciúmes, uma mulher não.

Um homem pode dar uma bofetada na cara da namora, porque afinal ela é a  louca não é mesmo? Um a mulher tem que tolerar um relacionamento abusivo regado a inseguranças e torturas mentais sem se defender, afinal o homem nunca é o culpado.

A mulher é sempre a vadia, e quando não é vadia é sonsa ou louca.

Não existe meio termo para a sociedade em relação às mulheres, todas merecem pedradas por suas insensatezes e supostas loucuras, já o homem… Ah o homem, pra que falar dele, coitado!

 

Sobre as ausências de alma

(Foto: Divulgação) 

Eu sempre me senti sozinha mesmo em meio a multidão e achei que isso era apenas um dos meus sintomas depressivos, mas com o tempo tive certeza de que não era só isso.

A falta de dialogo e corpo a corpo nas relações cotidianas me assustava de um modo inexplicável, sai do ensino médio e semestres de faculdade se passaram, e comecei a perceber que minhas amizades corpo a corpo estavam se tornando virtuais. Já quase não encontrava meus amigos e meu único modo de contato com a grande maioria era via facebook.

O fato que que esses trilhões de amigos que tenho no facebook em sua grande maioria já foram meus amores, “crushs”, amigos, conhecidos, e hoje não passam de um numero que estampam a minha  pagina, e infelizmente com alguns nem virtualmente eu mantenho um simples dialogo mais.

Nem precisei de tanta terapia interpessoal para perceber que o que estava faltando na minha vida eram pessoas de alma cheia, olho no olho, sentir o calor, a conversa, e as risadas, discutir politica, sociedade, literatura, sexo, que seja, mas não apenas através de um comentário. 

Acho as relações ciberculturais super importantes para uma construção ativista , talvez, mas sinto falta da revolução humana, de sentir a vida em conjunto como ela é.

Pode parecer besteira, ou mais um texto critico a sociedade atual (se soa assim não foi a intenção) mas tudo que eu queria dizer nesse desenrolar de palavras e que sinto falta da verdade, de amigos do pulsar do meu coração com novidades, desleixos  e loucuras, ser humana me faz falta.  

AMOR (IM)PROVÁVEL

Quando a noite cai, surge a mais solitária das estrelas. Sirius, a estrela mais brilhante do céu noturno, brilho esse que atrai muitos olhares. Nenhum que a fizesse feliz. Não posso dizer que ela não conhecia a felicidade, mas garanto a vocês, ela estava incompleta. Sempre cercada de outros como ela, sempre cercada de outros diferentes dela, sempre olhando ao redor à procura de algo mais.

A noite caiu, Sirius surgiu. Sua procura estava quase no fim quando se deparou com o olhar do Astrônomo. Seus lindos olhos a atraíam de forma extrema, era como se eles fizessem um pedido… “Sorria para mim, minha linda estrela”. E assim ela o fez.

E essa cena foi se repetindo por muitas noites. Eles se encontravam (da maneira que lhes era possível), conversavam, sorriam, se olhavam, se sentiam, se amavam. Mas Sirius tentava ir contra tudo o que se passava. Como poderia se deixar apaixonar por alguém tão inalcançável? Jamais poderiam ficar juntos!

Ela quis aumentar a distância entre eles, mas não conseguiu. E de que forma? Não era possível se afastar, tarde demais para fugir e intenso demais para ignorar.

Ao mesmo tempo em que ela negava seus sentimentos, ela também se apegava. Passou a enxergar um homem incrível. “Ele é tão inteligente, dedicado, carinhoso, verdadeiro, apaixonado… eu estou apaixonada”, assim ela começou a pensar.

O Astrônomo alcançou o coração da estrela. E de tal forma, que não foi necessário criar uma galáxia para viverem juntos, Sirius desceu do céu só para poder entregar todo o amor que ele despertou dentro dela. Não era mais necessário procurar por algo que a fizesse feliz. A estrela mais brilhante do céu noturno uniu-se a um Astrônomo para provar ao mundo que o amor existe para todos. Não importa onde você está.