Drabble: Angústia

Drabble: Angústia

Quando ainda era muito pequena, aprendera nos livros uma palavra que passou a usar para todos os sentimentos que não sabia explicar: angústia. Mesmo com a descoberta, às vezes ela ainda não se fazia entender. Afinal de contas, não deixava de ser um termo avançado para sua idade, e seus coleguinhas não eram ratos de biblioteca como ela para conhecê-lo.

Demorou a perceber que, no entanto, se enganara por todo esse tempo. Angústia não era um único nome para todos os sentimentos inexplicáveis. E sim o que vivenciava ao não conseguir entender as emoções que cresciam nela, sem explicação.

Continue reading “Drabble: Angústia”

Amizades instantâneas não me nutrem

Uns minutos de total descontrole e caí, sabe-se lá como, em um mar de dúvidas e opiniões sobre a onda de pessoas que passam pela nossa vida e, principalmente, o tanto que eu acreditei que durariam para sempre.

(Um asterisco fofo: eu sempre acreditei que todos nós temos, ou teremos, uma pessoa para a vida toda.)

Tudo bem se eu me tornar uma pessoa ingênua à partir de agora, mas eu simplesmente não consigo mais acreditar na ideia de que as pessoas apenas vem e vão. Não consigo ignorar o fato de que eu, pau para toda obra, passo na vida das pessoas com mesma frequência que almas em fuga desaparecem de listas de contatos e números de emergência, e por vários anos eu achei que o problema fosse eu.

E talvez seja mesmo.

Por mais que eu ache linda essa coisa de você criar uma conexão rápida com alguém, no meu caso, conexões não salvam amizades fracas que surgem quando a agenda deixa. Ao meu ver, amizade é mais do que ir do começo ao fim em 3 meses, e talvez hoje eu entenda o por que.

Amizades instantâneas não me nutrem. E talvez não nutra ninguém.

Continue reading “Amizades instantâneas não me nutrem”

O quanto somos vendíveis?

 

Se tem uma coisa que a maioria das pessoas têm em comum, essa coisa é a vontade de ter mais dinheiro. Sim, me incluo, sinto muito por isso, mas todos nós sabemos que as contas não são pagas nem com abraço nem com energia positiva. E sinto muito pelo trocadilho. Mas até onde vale ter dinheiro, quando a forma de ganhá-lo mexe com a sua essência? Quando isso acontece, o que estamos vendendo, exatamente? Nosso trabalho ou nossa saúde mental? Se a sua resposta for a segunda opção, espero que você seja mais que milionário. É, eu sei, não somos.

Existem algumas propostas de trabalho que, por mais que nosso bolso peça ajuda. A nossa mente entra em curto e é como se houvesse uma traição nossa com nós mesmos. A ideia do dinheiro entrando é sensacional, mas e a noite? Está bem dormida?

A minha não estaria.

Nosso sono pode ser reembolsável?

Continue reading “O quanto somos vendíveis?”

A história de hoje é…

Laura

Primeira Parte

A dúvida toma conta de cada passo que dou. Talvez eu devesse ter dado ouvidos a Tia Marli, ela estava certa, vir aqui foi um erro.

_ Boa noite senhorita, posso apanhar o seu casaco?

_ Ah sim, obrigada.

_ Adessa, você veio!

Tudo o que eu queria era chegar e ficar escondida em um canto, mas com essa sorte que tenho, claro que a escandalosa da Lola seria a primeira a me notar.

_ Olá Lola. Como você está?

_ Estou ótima! Melhor agora por saber que você e a Laura conseguiram se entender.

Falsa.

_ Venha, faço questão que se sente ao meu lado para colocarmos a conversa em dia, afinal, não nos falamos desde de setembro. Já se passou quase um ano!

_ Claro, me dê apenas um minuto irei cumprimentar a Rachel e o Guilherme.

E espero não ter que falar com você novamente.

_ Oi pessoal.

_ Oi Dessa!

_ Olá! Que bom que resolveu aparecer.

_ Não comemore Guilherme, ainda posso sair correndo.

_ Pensei que você e a Lau já haviam se perdoado.

_ Laura me chamou de interesseira oportunista e eu disse que ela é uma estúpida que será infeliz para o resto da vida. Não são palavras fáceis de perdoar, para nenhuma das duas.

_ Mas não foi ela mesma quem te convidou?

_ Sim.

_ Mas convidou para esfregar na cara Guiga, a Adessa sabe disso. Não sabe amiga?

_ Sei sim Raquel! Não tenho dúvidas da falta de sinceridade dela ao me ligar. Laura precisa provar ao mundo que sabe o que está fazendo, então por que não convidar a amiga mentirosa e interesseira para ser uma das madrinhas? Não existe melhor maneira de me perdoar, com o complemento de mostrar à todos como confia no amado noivo.

_ Por falar em noivos.

Eu e a Laura eramos muito unidas, nosso grupo teve inicio com nossa amizade. Brigávamos sim, brigávamos muito, mas nunca foi nada sério, que durasse mais de um dia. Até pararmos de nos falar no aniversário dela do ano passado.

Durante a festa, o Vitor, na época namorado dela, tentou me beijar à força. Eu sou bem esquentadinha e esse sujeito não me descia fazia muito tempo. Estourei na hora dizendo boas verdades na cara dele, depois fui imediatamente contar à Laura. Ela ouviu tudo e depois foi embora, sem falar nada. Pensei que tinha ido terminar com o escroto, mas não. No dia seguinte foi até minha casa falar comigo.

“_ Você inventou aquela história para me fazer terminar com o Vitor e ficar com ele pra você. Eu deveria saber que você é uma vadia cretina!”

Discutimos muito naquele dia, foi horrível sim, mas não sei bem se me arrependo de tudo o que eu disse. Parece que a Laura retrocedeu, esqueceu tudo o que formava aquela personalidade linda que tinha. A mulher independente que conheci se deixou enterrar e não é mais a mesma pessoa.

Não sei se acredito nessa alegria que ela está mostrando durante o ensaio de casamento.

_ Oi Adessa.

_ Oi Laura.

 

Continua…

 

 

 

Outros textos que você pode adorar

Uma mulher – nada – de bem

Fim da linha

Atemporal

Liberdade de escrita

Tudo pode ser descrito

Escrito

Até mesmo o silêncio

         O vácuo também transpassa entre meus dedos

Atravessa o azul

Alcançando o branco

E assim nada mais é silêncio

De repente o mundo transborda sobre mim

          E tudo é música

Vento, desejo, fome, insegurança

Revista, trabalho, viagem

Ovos, animais, imagens

Sexo, raiva, fantasia

Cores, futuro, revolta

Tudo pode ser escrito

 

 

   Essa é a beleza das palavras, elas revelam tudo, me mostram tudo, amo a liberdade de escrita. Não importa quão bloqueada eu me sinta, todos os meus pensamentos podem dançar por entre meus dedos.

 

   Comecei no ensino médio, quando aproveitava pequenos intervalos para escrever o que eu sentia naquele momento. Meus escritos deveriam ficar escondidos naquela época.

 

   Trancado à 10.000.000 de chaves, mas hoje não! Tudo o que sinto eu preciso deixar bem à vista, aberto, escancarar ao mundo o que sou e penso sem temer as críticas e os risos.

 

   Hoje foi assim, um breve lampejo que pode parecer insignificante para você, mas para a Alessandra foi libertador. Então eu escrevi, me faz bem, então por quê não?

   De agora em diante, vou escrever e mostrar tudo o que vier de mim.

 

 

Continue reading “Liberdade de escrita”

Elas por Elas chegou!

É bom estar de volta. Estamos com cara e espírito renovados. Durante o período de hiato, aproveitamos para resolver questões pessoais e dar um fôlego antes de retornarmos à rotina. E também trabalhamos em mudanças e aprimoramentos para tornar o projeto algo não apenas mais agradável para a gente, mas principalmente mais bacana para vocês.

Entre as novidades, estamos de roupa nova! O template que usamos agora é mais completo (o antigo, por exemplo, não tinha nem barra de busca!) e com elementos que conversam melhor com nossa proposta. A navegação é mais fácil e dinâmica, e a aparência tem mais elementos do que queríamos para o nosso cantinho.

Também estamos nos organizando para trazer um conteúdo cada vez melhor e mais diversificado pro nosso público. Por isso, vamos mergulhar de cabeça em novos e maiores projetos e formatos. Vamos nos aventurar cada vez mais em vídeo e postagens mais elaboradas, posts colaborativos, reportagens, mas sem deixar nossas raízes de lado: a literatura. Inclusive, em breve devemos ter mais uma novidade com relação a isso, mas por enquanto fica o suspense!

Além disso tudo, esperamos poder ir além desse espaço de uma URL. Vamos produzir mais conteúdo para as redes sociais, tentando não apenas aumentar o nosso alcance em números, mas principalmente em engajamento na nossa causa. Que mais e mais mulheres possam ser lidas, ouvidas e respeitadas. E, quem sabe, não possamos logo derrubar mais uma barreira, e tirar o Elas por Elas do mundo virtual?

Agrademos a paciência de todos vocês e podemos dizer de peito aperto, em alto e bom som: o Elas por Elas está de volta.

O Jardim de ossos

O Jardim de Ossos, Tess Gerritsen

Sinopse

Ossos desconhecidos, segredos não revelados e crimes não resolvidos lançam sombras ameaçadoras sobre o presente.

A recém-divorciada Julia Hamill acaba de se mudar para a casa de seus sonhos, uma mansão em um enorme terreno. Tudo parece perfeito, até que, durante a reforma do jardim, Julian desenterra um crânio humano com indícios de homicídio. E o mais intrigante: a cova data do século XIX.

O ano é 1830. O jovem estudante de medicina Norris Marshall é o principal suspeito das atrocidades cometidas pelo Estripador de West End. Na companhia do amigo Oliver e da imigrante irlandesa Rose, Norris parte em busca do homem mais perigoso de Boston, a fim de provar a própria inocência, visitando desde lúgubres cemitérios e salas de necropsia até elegantes mansões.
Separadas por quase dois séculos, as duas histórias se desenvolvem de forma precisa e instigante, conduzindo o leitor a um final tão chocante quanto engenhosamente concebido.

Título: O jardim de ossos
Autor (a): Tess Gerritsen
Editora: Record
Páginas: 447
Ano: 2009


Quem gosta de suspense médico, precisa conhecer os livros da Tess Gerritsen. Ela era médica, mas abandonou sua carreira para se dedicar completamente a vida de escritora. Jardim de ossos foi o primeiro livro que li dela e me apaixonei completamente.

O livro trata duas histórias, cada uma ambientada em anos (séculos) diferentes. Nos capítulos que tratam os dias atuais, conhecemos a professora Julia Hamill, que após um divórcio, compra uma casa nova e se muda, em uma tentativa de recomeçar sua vida. Enquanto trabalhava em seu novo jardim ela acaba desenterrando um crânio. Ao descobrir que essa cova é de meados dos ano de 1800, ela se une a familiares da antiga moradora de sua casa para encontrar respostas. Em sua busca, ela encontra cartas que a levam ao nosso segundo personagem: Norris Marshall.

Norris é um fazendeiro, estudante de medicina da cidade de Boston no ano de 1830, ele também é suspeito de ser um serial killer. Tentando se misturar ao seu novo mundo da faculdade, rodeado por pessoas de classe média alta e correndo o risco de perder sua bolsa de estudos, ele também quer respostas. Então pede ajuda a Oliver e Rose, que é perseguida por uma misteriosa pessoa, para encontrar o verdadeiro assassino.

As duas histórias são cheias de tramas, mistérios e vai nos prendendo a cada página. Sem falar em como você se espanta com a medicina do século XIX, é assustador a forma com os pacientes eram tratados e a maneira como conseguiam os corpos para estudos.

Eu terminei de ler em dois dias, porque queria muito saber o que vinha depois. E esse depois é sempre muito bom, sempre uma surpresa, tanto que se eu contar mais do que isso estaria dando muitos spoilers. 

Tess Gerritsen (reprodução/Google)

Tess Gerritsen escreve muito bem, a forma como ela une as duas épocas é perfeita e em momento algum você estranha. É uma leitura simples, direta, envolvente e você consegue enxergar cada cena em sua mente. Acredito que você vai querer conhecer muitos outros livros dela e espero que seja tão gratificante quanto foi pra mim.

Se ficou afim de ler, pode clicar aqui para comprar.

Artigos relacionados para conhecer mais literatura feita por mulheres

Cinco poemas contemporâneos escritos por brasileiras

Esvaziar-se

atemporal

Atemporal

Tic tac, tic tac

Para mim funciona diferente.

Diferente de você,

Dela,

Dos outros,

Diferente de mim.

Por vezes passei por ele com indiferença,

Mas hoje corro atrás, só quero andar lado a lado.

 

Há quem não goste de ver o tempo passar.

As despedidas, muitas mudanças, velhice, vem a morte.

Então voltemos,

Voltemos tudo o que for possível

E ficaremos lá.

Escolha o melhor momento

Pressione o botão e fique por lá.

Atrás.

Vegete!

 

Você quer continuar,

Ou melhor, atropelar, sobrepor a ordem certa.

Nada está certo!?

Por que esperar? Não precisa.

Apenas se erga até o fim de tudo.

É necessário acelerar os dias

Para que o melhor surja,

Esse é o seu momento.

Perder tudo.

 

O meio é mais adequado a mim.

Lembra-se? Lado a lado.

Sentir cada brisa gélida,

Ouvir todas as notas,

Talvez conhecer ontem, amar hoje, terminar amanhã.

Hoje!!

Esse é o único momento.

oaboab, abcabc.

naquele dia resolvi me entregar ao luxo-lixo de despertar apenas na hora em que meu corpo bem escolhesse, fazendo-o sorrir como um corpo sem patrão, um corpo desmandado, reforçando o cotidiano de sarros que tiramos um com o outro entre uma ou outra aposta na liberdade. um corpo ele que, de tão desapregoado, tornou-se digno de ser reconhecido não mais como ninguém, mas sim, como ela. ela, eu, nós.

olhos ainda marejados em sono, corpo ainda quente de horas de cama, abri a janela e assisti papéis voarem já na primeira jarrada de vento. vi quase tombar de dentro de um copo americano – esses de proveito de um furto noturno mal lembrado e cheio de graça, atestado recorrente de uma adolescência mal atravessada – todas aquelas contas emboladas, atrasadas. vi como parte da estranha reunião de papéis no chão o carnê da minha dita profissão, ainda sem o carimbo de satisfação anual. ela, um projeto de sonho do ontem, hoje quase um atravanque, um corpo apatronado, e por homens. nós, eu, ela.

amassei os olhos, os vesti com os velhos óculos, avaliei todos aqueles manuais de sermões completos que ainda perduravam numa prateleira qualquer, pesada de tantos desmotivos. perguntei quem me fizera ler aquele conjunto de tantos contos – da carochinha e de réis – de capa impenetravelmente grossa. perguntei em qual momento permiti atestarem a necessidade de me converter em reprodutora daqueles artigos definidos de tolos e por tolos em coleguismo engravatado com tantos outros tolos reprodutores. perguntei quando que resolvi sangrar minha língua naquele linguajar morimbundo – nunc, tunc, omnes, data, vênia, obladi, obladá – e naqueles pronomes que se convertiam tão facilmente e propositalmente em elogios e vice-versa. eram tantas as excelências, tantos senhores – querendo ser de si e de nós – doutores do nada. e todos são ele.

perguntei-me em que momento nos convencem de que o recalcar a própria essência deve ser maior do que o poder exteriorizá-la, agir conforme se é, de facto e de juri. questionei em qual momento nos convencem a adentrar a maratona por caber em muito mais que duas camisas pretas, uma calça jeans, tênis, caderno e lápis, muito mais este que acaba por sempre se converter em algo que afague a alguém, e aqui alguém sempre é ele. rasguei, larguei, convencendo-me a seguir como se ainda estivesse parada no momento anterior à estação das decisões, aquele das despreocupações de uma quase-juventude ocupada apenas da liberdade de exercer seu vazio de expectativas. expectativas também são elas, nós.

perguntei em que momento fizemos do corpo a contingência de uma enorme fila para fotos e autógrafos; perguntei quando nos desfiguramos numa berlinda de uma entidade relatora que, ao dizer revelar de tudo, assombreia o mais elementar: os seus tantos recados às mulheres-alunas, dichavados nos grupos e nos convites meramente formais em saguões de hotéis, circulo infinito, bis in idem de tentativas de sujeitação.

– vamos escrever um artigo juntos, menina? tão jovem e bonita, mas tão inteligente.

– a mulher linda encanta. a mulher que é inteligente é interessante. se ela for as duas coisas, e inventar de ser criminalista, é invencível.

– te trouxe um livro meu autografado. sobe ali no quarto comigo pra buscar?

– amanhã venha assim, de salto e vestido, pois vais despachar com o juiz. é causa ganha na certa.

– quer um chocolate, querida? trouxe da viagem do congresso pra você.

do alto do palanque, que imensa a tontura, que imensa a tontidão. balas e recados perdidos nas confrarias dos rostos-homens marcados, e os vinhos, a lógica-mercado, os restaurantes e as cadeiras nas quais o objeto do desejo jamais faria casa, se fazendo presente sempre apenas como pauta maliciosa de pensamentos.

milionárias famílias trajadas de verde-esperança, ainda que já desvelado em seu tom musgo morto, meio de cujus, que segue pedindo que confiemos. eles são e estão na Ordem, e em seu discurso repetem oaboaboab. dizem que eu, mulher culpada de ser desconforme, só sou hábil de dizer abcabcabc.

não podendo recolher os papéis, juntei-me à sua reunião e sustentei perante eles todas essas coisas, já que coisas também são ela, e ela também sou eu e somos nós. e foi assim que, quando vi, já estava tudo aqui, tudo dito, e alea jacta est.

Um amor intenso e livre como eu

 

 

(Imagem: Tumblr)

Sabia que a cada dia que passa eu me torno mais apaixonada por você? Cada detalhe seu me encanta, a sua cara séria enquanto dirige, a sua boca bem desenhada pelo meu corpo, a maciez da sua pele contra a minha, a delicadeza dos seus traços, o cheiro suave de perfume do seu cabelo e contrapartida ao teu cheiro de homem do restante do corpo.

O seu beijo amoroso na minha bochecha até o seu beijo faminto quando me pega com desejo.

Me sinto perdida nos teus braços,  na ânsia de naufragar em você inteiro e de me agarrar nos teus cachos como uma tentativa de provar a mim mesma que tudo isso não é um sonho.

Sinto você em mim quando fecho meus olhos, e meu corpo estremece quando te vejo parado em meu portão com esses olhos profundos de menino.

Eu não me encontro em outro abraço,  nunca me encontrei em outro beijo e não sei lidar muitas vezes com as neuroses que o medo de te perder me traz.

Quero você como meu menino, meu homem, sem metades. Não me tire dos teus braços e nem dos teus pensamentos, preciso de você desesperadamente como uma necessidade básica, como um fruto maduro que que não aguenta o próprio peso em si e se derrama pelo o chão.

Teu peito é o meu chão, a segurança que eu preciso para continuar, para não me derramar, para não chegar ao fim.

Eu te amo por tudo aquilo que se atreve a ser teu, tudo que não te pertence, tudo que te constrói. E te amo mais ainda por esse sentimento não me podar de ser eu mesma.