Drabble: Angústia

Drabble: Angústia

Quando ainda era muito pequena, aprendera nos livros uma palavra que passou a usar para todos os sentimentos que não sabia explicar: angústia. Mesmo com a descoberta, às vezes ela ainda não se fazia entender. Afinal de contas, não deixava de ser um termo avançado para sua idade, e seus coleguinhas não eram ratos de biblioteca como ela para conhecê-lo.

Demorou a perceber que, no entanto, se enganara por todo esse tempo. Angústia não era um único nome para todos os sentimentos inexplicáveis. E sim o que vivenciava ao não conseguir entender as emoções que cresciam nela, sem explicação.

Continue reading “Drabble: Angústia”

Microcosmos

Drabble: Microcosmos

Depois de um longo período explorando o cosmos, chegara a hora de voltar à Terra. O prazer de saltar entre corpos celestes já não mais abafava a saudade de casa.

Tirou o capacete ainda no quintal e colocou-o debaixo do braço para abrir a porta de entrada. Limpou o pó de estrelas dos pés antes de entrar. A mãe não ia gostar se fizesse sujeira.

Mesmo recebida com um abraço quente como uma supernova e um sorriso brilhante como um sol, não pôde evitar sentir certa melancolia. Gostava muito do espaço, afinal. Mas tudo bem: amanhã ela voltaria para lá.

Continue reading “Drabble: Microcosmos”

Corpo em cena

Sinto meu corpo preso na maré de sentimentos.
O equilíbrio que busco a longo prazo me puxa para o fundo do mar.
A âncora é pesada, repleta de durezas e cobranças.

Autopunição
Desrespeito
Intolerância
Se eu deixar, afundo.
Eu já quis.

Não vou mentir, o desespero bate.
A ansiedade e autocobrança em fazer dar certo me imundam.
Eu quero prosperar e alcançar o que acredito,
mas as ondas me puxam com tanta força que eu ainda não consigo domá-las.

Doi.

Continue reading “Corpo em cena”

Contos Aleatórios sobre elas – Adessa

Adessa

 

Primeira Parte

A dúvida toma conta de cada passo que dou. Talvez eu devesse ter dado ouvidos a Tia Marli, ela estava certa, vir aqui foi um erro.

_ Boa noite senhorita, posso apanhar o seu casaco?

_ Ah sim, obrigada.

_ Adessa, você veio!

Tudo o que eu queria era chegar e ficar escondida em um canto, mas com essa sorte que tenho, claro que a escandalosa da Lola seria a primeira a me notar.

_ Olá Lola. Como você está?

_ Estou ótima! Melhor agora por saber que você e a Laura conseguiram se entender.

Falsa.

Continue reading “Contos Aleatórios sobre elas – Adessa”

Corpo infinito

Meu bem, quero te mostrar uma coisa:

Meu corpo.

Vem que eu te deixo tocar cada dobra, passar seus dedos em cada curva, volume, cada linha que me desenha. Eu te quero é me desenhando com suas mãos, sentindo minha pele arrepiar com seu toque. Te deixo apertar minha bunda com toda força, mas tem que mostrar que gosta, que minha bunda é gostosa desse jeito mesmo. Te deixo morder minhas coxas grossas e depois ir subindo aos poucos, me deixando tensa de tesão, dentro de mim. Eu tenho lábios lindos – em cima e embaixo, externo e interno. São carnudos, macios e ultra sensíveis. Se você quiser, te deixo fazer um estrago com eles, você vai ficar louco. Nego, quero sentir seu corpo quente ao meu, pele com pele, mão com mão, peito com peito, órgão com órgão. Entra e sai, entra e fica, sai e volta. Fundo. Profundo.

Continue reading “Corpo infinito”

O vulcão que me habita

 

Às vezes estonteante, lidando com o oco calado da paz de espirito e da alegria, outras a flor da pele, na angustia do simples fato de ser eu.

Vivendo a beira de erupções onde pequenas frases me fazem jorrar sangue. As vezes frases nunca ditas, mas vividas mentalmente implantadas por monstros que se alimentam do amargor das ruínas. Na boca o gosto amargo da solidão, a certeza da desistência do mundo em relação a mim.

A ansiedade de que a minha luta pela pacificidade interior pode estar sendo em vão domina meu ser, sinto como se minha guerra pessoal já tenha sido perdida a muito tempo. Me dispo de mim na esperança de esquecer o que realmente se foi.

Flocos de esperanças ainda fazem alguma morada dentro de mim, mas as memórias do que perdi fazem com que eu não saiba mais como lidar com meu eu sem trovoadas. Temo não conseguir reconquistar, temo não conseguir disposições para que o meu universo pessoal me reconheça na face da verdade.

Continue reading “O vulcão que me habita”

Você partiu, mas tá tudo bem

Você partiu,

Mas por mim tudo bem… Estava na hora de esvair minha mente com algo novo que eu adoraria te contar ou com alguns daqueles planos do passado que eu compartilhei contigo.
Você partiu,
Mas por mim tudo bem… Comecei a fumar o dobro de cigarros que antes, o que vem me causado uma náusea imensa todas as noites, me despertando o desejo de tentar parar mais uma vez com o vício.
Você partiu,
Mas por mim tudo bem… Minhas lágrimas noturnas me renderam excelentes rimas non sense sobre amor e travesseiro.
Você partiu,
Mas por mim tudo bem… Agora aprendi a sentir um samba triste ao invés de só escutá-lo.
Você partiu,
Mas por mim tudo bem… Em meio a minha solidão e resistência de recomeçar eu aprendi coisas incríveis como sentir saudades de quem está vivo.

Continue reading “Você partiu, mas tá tudo bem”

A história de hoje é…

Laura

Primeira Parte

A dúvida toma conta de cada passo que dou. Talvez eu devesse ter dado ouvidos a Tia Marli, ela estava certa, vir aqui foi um erro.

_ Boa noite senhorita, posso apanhar o seu casaco?

_ Ah sim, obrigada.

_ Adessa, você veio!

Tudo o que eu queria era chegar e ficar escondida em um canto, mas com essa sorte que tenho, claro que a escandalosa da Lola seria a primeira a me notar.

Continue reading “A história de hoje é…”