Ser. E só

Sobe a sensação do poder
Do ser, do querer, do saber
Através dos dedos eu descubro
Dentro de todo o meu silencio imundo
Todas as palavras que eu fujo
Os assuntos que eu me inundo
As roupas que eu não me desfaço
Meus medos com roupas de palhaço

Sinto o cheiro de uma chance maior
O coração se sente menos só
História antiga se reescrevendo
“Não acredito que está acontecendo”
Crio ideias para o feriado
Assumo. No fundo, nada de errado
Observo o motivo inicial
Talvez, no fundo, não seja tão mal

Voltamos aos verbos do começo
“Ser, querer, saber”. Ok, eu mereço
Noites de paz dentro de mim
Talvez seja simples assim
Video game com música no fundo
Assumir totalmente esse meu mundo
Esse recomeço com sentimentos mistos
Desculpa, mas… [ainda] Não falo sobre isso.

Megan Garcia

Megan Garcia

Megan Garcia, 25. Palmeirense, rockeira-sambista e guitarrista por paixão. Fã incondicional da minha avó (te amo!), curtidora de animações, roedores, jogos de zumbis e cheiro de pipoca. Frito ovo na manteiga e ouço Britney (sim, a Spears) enquanto faço faxina.
Megan Garcia

Últimos posts por Megan Garcia (exibir todos)

Comentários

comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *