Sobre ser feminista e cristã

Muitas vezes ouvi de religiosos que a submissão era a liberdade para mulheres. Que nascer para servir ao seu esposo, à sua família e à sua igreja era perfeito e do agrado do Criador. Que isso estava na Bíblia, e que o contrário era pecado.
Mulheres independentes, decididas, de personalidade são mundanas e pecadoras.
O fato é que mais e mais mulheres têm se libertado desse conceito.
É diante disso afirmo, há sim como existir a dedicação à uma fé e ao mesmo tempo querer a igualdade social e a equidade entre homens e mulheres.
Estudando a Bíblia vemos passagens de mulheres importantes, mulheres de grande relevância histórica, e vemos também que Jesus, filho de Deus, Santo, e Messias não fez em nenhum momento de sua passagem na terra distinção entre homem ou mulher.
Há de se observar também que era uma outra época. Pouco ou quase nada era de fato “coisa de mulher”, elas sequer eram contadas nos censos das cidades.
Mas os tempos são outros.
E essa imposição de que o feminismo é promiscuidade vem imposto por líderes de igrejas, homens, o patriarcado que teme a perda do controle sobre as mulheres.
Que sente seu território ameaçado, que sente que perderá o poder sobre a mente e a vida das pessoas.
Tenho acompanhado de perto uma grande quantidade de mulheres cristãs, que vivem em intimidade com o Espírito Santo, mas que já não possuem os sonhos das moças do antigo catequese, casar, ser mãe ficou em segundo plano. Elas querem estudar, fazer a diferença.
Isso se dá ao fato de descobrirem a liberdade que o feminismo propõe à elas. De terem o poder de escolha sobre suas vidas, sem perder sua fé e sem desrespeitar sua crença.
Sem se transpor sobre nenhum gênero, sobre acolher e respeitar pessoas como indivíduos.
O cristianismo tem como base um livro histórico, mas que foi escrito por homens.
Vivemos outro tempo, mas infelizmente para as mulheres pouco mudou.
Ainda conquistamos nosso espaço, devagar. E você mulher, não precisa ser submissa se não for dá sua vontade.
Lembrem-se que Jesus quando veio à terra, era considerado rebelde, muito moderno, muito louco pra sua época. Aos poucos ele trouxe discernimento ao povo que só seguia ordens, e trouxe a liberdade.
Assim é o feminismo para as mulheres. Uma ideia ousada, radical, mas a janela para um mundo livre e de múltipla escolha, ou de escolha nenhuma. Você é dona de si, independente do Deus que você saúda.

 

Não entrarei no mérito de citar passagens da Bíblia, porque todo trecho tirado do contexto do todo é passível de interpretação pessoal. Porém, quando se fala de submissão na Bíblia, se fala de mutualidade. Ou seja, tanto homem quanto mulher se sacrificam em benefício de sua família.

 

Acima de tudo, e para finalizar, tudo que Jesus fez nessa terra foi espalhar amor ao próximo, incentivar a irmandade e o respeito entre todos.

E o feminismo puro e simples é isso. Igualdade, amor e respeito entre homens e mulheres.

Fé não é prisão. Fé é libertação, é amor, é paz, é respeito.

Fé não é religiosidade.

Fonte da imagem: imagem de reprodução Internet