Incorporando o vísceral na pintura

Desde que eu entrei no movimento feminista e agreguei isso tanto a minha vida quanto em internet, tenho ganhado uma enorme soma de amigos maravilhosos – awoman – e um desses foi o Juno Lavigne.

Homem trans e dono muito recentemente da page Juno Dexter – Art , fui arrebatada muitas vezes pelos seus textos didáticos e esclarecedores sobre inúmeros aspectos de seus transtornos neuroatípicos, como autismo e disforia corporal, e por sua arte, que expõe seus sonhos mais intrínsecos e perturbadores, revelando mesmo que indiretamente e não plenamente a sua verdadeira face e vivência como pessoa transgênero, algo que ele transmite através de suas pinturas sem querer falando coisas muito íntimas aos espectadores; algo muito pessoal, que para os mais sensivéis desenvolve certa estranheza e simpatia as obras que abusam do vermelho e tons mais escuros por motivos óbvios, para quem acompanha suas postagens.

Vide algumas perguntas sobre as influências do seu trabalho e sentimentos sobre o mesmo:

>  Como surgiu seu primeiro quadro?

Mano, eu não sei, na real eu sempre gostei de arte, e meu pai sempre me estimulou a desenvolver isso, assim, na real meu primeiro quadro eu devo ter feito antes de completar 4 anos -e vou aproveitar pra lembrar que deve ter ficado uma merda, anyway, eu só comecei a levar minha arte a sério de verdade ano passado, quando eu percebi que passar meus sonhos pro papel não era uma “brincadeira” (risos).

> Que relação seus quadros possuem com os seu autismo e outros “transtornos”  neuroatipicos? E com a sua transexualidade?

– Isso depende, cada quadro tem uma relação muito íntima com uma ou mais questões muito intrínsecas de mim, alguns quadros eu mostro pessoas com os seios mutilados e feridos, eles podem representar minha disforia (na vrdd vc precisaria ser cego pra não entender que se trata de uma pessoa disfórica na imagem ), assim como eu tenho quadros que falam de crises, auto-mutilação etc, figuras com rostos cansados, sangue, lâminas e presas em camisa de força tão aí pra representar essas questões
O que os quadros mostram é só uma mistura, na verdade, de todos os meus sonhos e sentimentos, que foram de alguma forma “cuspidos” no papel. Uma vez que a arte é o que eu tenho feito pra não me matar no fim do dia, a relação que minhas pinturas possuem com meus transtornos e minha transexualidade é essa: eles impedem que a depressão e a disforia me consumam até o ponto de o pior acontecer. E quanto ao autismo, bom, ele na verdade me ajuda a querer pintar mais e mais.

 

 

> Você acha que seus quadros merecem ganhar um grande reconhecimento ou são só um hobbie seu mesmo?

–  Mano, isso é meu trabalho (risos) é o que eu pretendo fazer no futuro, eu não sei se sou a pessoa mais apta a dizer se eles merecem um grande reconhecimento porque minha relação com eles é muito pessoal, o que eu vejo não é nada do que você vê. Você pode ver um menino disfórico e com problemas de auto-imagem e auto-mutilação ou qualquer outra coisa, pode ver só quadros bonitos e um bom uso dos elementos dos quais a arte dispõe, mas man, quando eu olho pra um desenho meu, eu revivo tudo que me levou a fazer ele. Então sim, eu acho que a minha arte é boa e merece o devido reconhecimento, mas eu não sei se posso ditar quanto reconhecimento eu mereço ou não, porque eu estou envolvido demais com minha obra, de uma maneira que não consigo julgar ou, de alguma forma, dar uma opinião realista e imparcial.

> Você acha que esta passando um recado para as outras pessoas? E se não, que recado você queria passar sobre transexualidade e transtornos neuroatipicos para as pessoas?

– Eu não sei se estou passando algum recado, eu não penso em passar nada específico quando eu faço meus quadros, eu simplesmente reproduzo um monte de sonhos e sentimentos, e eu acho que a interpretação disso, tipo… bom, é claro que a MINHA interpretação sendo tão abstrata e pessoal não vai ser a interpretação universal, isso simplesmente vai caber a cada um né, a única coisa que eu procuro passar pra tela é o sofrimento, meio cru até, porque é a única maneira que eu tenho de “tirá-lo” de mim naquele momento. Então… eu não estou tentando dizer alguma coisa específica com esses quadros, eu só estou pintando.

Sexualização feminina não é estilo p**ra nenhuma

Imagens: reprodução/internet. Montagem: Tamires Arsênio/via Canva

Quando acreditamos estar vencendo barreiras e prestes a viver uma ótima era como mulheres consumidoras de cultura pop/nerd, a verdade nos dá uma rasteira e mostra que esse ambiente (como todos os outros) continua extremamente tóxico para nós.

Sim, as produções têm cada vez mais colocado a mão na consciência e percebido o óbvio: mulheres também são público. Isso vale em filmes, HQs, livros, séries e outros conteúdos tradicionalmente voltados para o público masculino (mas que sempre foram amplamente consumidos por mulheres).

Eu, particularmente, comecei a ler quadrinhos seriamente há pouco tempo. Antes, consumia mais revistas justamente voltadas para o público feminino (colecionei W.I.T.C.H. por muito tempo) ou misto (e dá-lhe MSP nas minhas seleções).

Quando meu interesse em expandir esse consumo aumentou, eu já estava inserida no feminismo e pendendo a consumir produtos feitos sobre mulheres e por mulheres. Entretanto, apesar de estar ficando cada vez mais fácil encontrar conteúdos que se adequem ao primeiro requisito, o segundo continua escasso.

A nova revista da Miss Marvel foi uma das responsáveis pelo aumento do meu interesse por quadrinhos, e foge totalmente do padrão de personagens sexualizadas. Por trás de sua produção, nomes femininos. Imagem: reprodução/internet

E isso provavelmente explica por que a gente continua se decepcionando com a indústria cultural. Eu mal havia elogiado a Marvel (que, em detrimento da DC, estava reduzindo bastante a sexualização de personagens femininas e dando cada vez mais protagonismo para elas), e me surge a polêmica da capa variante da Invincible Iron Man que trazia a personagem Riri Williams, de apenas 15 anos, objetificada.

A arte era de J. Scott Campbell e teve que ser alterada (às pressas e com um resultado bem ruim, diga-se de passagem). O desenhista reclamou das críticas dizendo que sua intenção era desenhar “uma jovem mulher atrevida e em fase de crescimento”. A justificativa, que leva em conta características menos importantes (e às vezes até inexistentes) de personagens femininas já é clássica.

Da esquerda para a direita: a primeira capa com a personagem a ser apresentada, a versão original da capa feita por Campbell e a versão modificada. Imagens: reprodução/internet. Montagem: Tamires Arsênio

O grupo que sai em defesa de Campbell alega que esse é o seu estilo, que reclamar disso é limitar um artista. Seria como reclamar do surrealismo da obra de Dali. Ou, pegando algo ainda mais próximo, reclamar da sexualização das personagens de Milo Manara, famoso por suas histórias eróticas.

Este, por sinal, está envolvido em outro acontecimento que foi um belo tapa na cara das mulheres consumidoras de HQs. Na verdade, foram dois absurdos reunidos em pouquíssimo tempo. Primeiro: Milo Manara e Frank Cho foram protagonistas de um painel na Comic Com italiana sobre… mulheres no quadrinhos.

Cho também é conhecido por retratar personagens femininas extremamente sexualizadas e desproporcionais. Manara pode ter sido revolucionário quando surgiu, mas hoje em dia é só mais um homem desenhando mulheres sob uma ótica masculina – não tem absolutamente nada de novo nisso. Os dois são as ÚLTIMAS pessoas que se pode esperar em um painel decente sobre desenhar mulheres.

Segundo: os dois teriam “unido forças para combater a censura nos quadrinhos” e blablablá. Nisso, Manara presenteou Cho com uma ilustração da Mulher-Aranha ainda mais sexualizada que sua famosa capa para uma edição da revista da heroína. Seria algo apenas de mau gosto e material de punheta presente para o Cho, se este não tivesse a brilhante ideia de publicar a imagem explícita no seu Facebook. E ainda se vangloriar pela sua “luta contra tabus”.

Ninguém é obrigado a ver essa imagem escrota explícita, então deixo a borrada aqui e quem quiser pode clicar acima ou aqui pra ser redirecionado a ela

Eu vou evitar falar sobre o choro de Cho, que até eu que estou há pouco tempo no mundo dos quadrinhos não aguento mais. Deixo aqui um texto excelente do Collant Sem Decote sobre o mesmo caso e que foca nesse aspecto.

Agora eu vou tentar fazer uma convergência sobre os dois casos e o que mais me incomodou sobre eles. Claro, além da ofensiva objetificação das duas personagens (que atinge as mulheres em geral). Eu estou falando da defesa incansável, para não falar endeusamento, dos três artistas.

Já era de se esperar que a tal “broderagem” entraria em cena nesse contexto, assim como a galera conservadora/machista. Mas nesse caso entram também os que, assim como Cho, se acham subversivos e destruidores de tabus, e ainda os que colocam artistas masculinos num pedestal intocável.

O argumento do estilo ecoa por todo lado em que alguém se posiciona a favor deles. Mas vamos lá, não é no mínimo curioso que TRÊS artistas envolvidos em polêmicas recentes tenham como “estilo” a sexualização? Manara ainda é um artista de nicho (mas que curiosamente estava em um painel sobre quadrinhos para um público amplo). Mas Campbell e Cho estão inseridos num meio bem menos específico.

Tão repetitivo que chega a cansar, sério. Imagens: reprodução/internet. Montagem: Tamires Arsênio/via Canva

Meio esse que usa o corpo feminino como produto há tanto tempo que isso provavelmente nunca foi realmente marca de estilo. É algo que todo mundo faz. O diferente, inclusive, é a criação de personagens femininas que sejam mais que apenas adereços de cena para agradar os olhos (e os hormônios) masculinos.

Campbell postou em seu Facebook uma arte (desvinculada) com uma releitura da Riri. E provou ali que era capaz sim de sair de sua zona de conforto (o tal do “estilo”), respeitando a proposta da personagem. Será que era tão difícil assim fazer o mesmo em um trabalho oficial?

“Riri Rethink” (Riri reimaginada), legenda que Campbell deu para a própria postagem. Imagem: reprodução/J. Scott Campbell

Não dá pra chamar de estilo algo que se repete incansavelmente, na indústria cultural como um todo e também especificamente nos quadrinhos. No máximo é mais do mesmo com algumas variações pessoais. Também não dá pra chamar de estilo algo que estereotipa, ofende e oprime um grupo de pessoas.

Enfim, indo na vibe boca suja do título desse texto, não dá pra aceitar que um monte de homens escrotos siga fazendo trabalhos ofensivos. E que um monte de cuzão no público os defenda como intocáveis apenas por serem homens e atenderem suas “necessidades” sexuais. Não, não é defender estilo porra nenhuma: é só privilégio masculino, mesmo.

[ATUALIZAÇÃO: a imagem postada por Campbell acabou se tornando capa variante da edição #2 de Invincible Iron Man. Veja a arte finalizada aqui]