Cinco mulheres essenciais para o cinema brasileiro

 

O cinema atual não é só constituído das mesmas cartas marcadas (normalmente do sexo masculino) onde mulheres costumavam a ter papeis coadjuvantes ás margens de um personagem masculino e poderoso.

Atualmente o cinema brasileiro apesar de estar longe de uma igualdade, é bem  mais dependente das mãos de cineastas femininas. Conheça cinco mulheres que fazem toda a diferença na sétima arte em solos brasileiros.

 

(Foto:Divulgação)

1-     Lucia Murat: foi presa e torturada nos porões da ditadura militar fato que exerceu uma influencia fundamental para a sua obra.

Obras de destaque: Que bom te ver viva (1989), Quase dois irmãos (2004), e A memória que me contam (2013)

 

(Foto:Divulgação)

2-     Lais Bodanzky: Além de diretora, também é roteirista e sua obra “Bicho de sete cabeças” foi considerada um dos filmes mais marcantes do cinema brasileiro o que lhe rendeu diversos prêmios

 

(Foto:Divulgação)

3-     Anna Muylaert: Produtora de diversos programas de TV a cineasta produziu diversos curtas e teve sua carreira marcada pelo filme “Que Horas ela volta” sendo ganhadora da premiação “Grande premio do cinema Brasileiro”

 

(Foto:Divulgação)

4-     Carla Camurati: Além de cineasta Carla também é atriz. Dirigiu diversas adaptações de Giacomo Puccini. Atuou em novelas e em 12 longas metragens.

 

(Foto:Divulgação)

5-     Petra Costa: Estreou no cinema produzindo e dirigindo o curta-metragem Olhos de Ressaca (2009). O primeiro longa, Elena (2012) que foi praticamente um documentário autobiográfico, foi exibido no festival Internacional de Cinema de São Paulo, na Semana dos Realizadores (Rio de Janeiro), no Festival Internacional de Documentários de Amsterdã (IDFA) e no Festival de Brasília do Cinema Nacional.