Sou a mulher presa que foge do mundo predador!

 

Caminhando pela selva de pedra e aço, me esquivando a cada passo para não me deparar com o leão que me cobiça como um pedaço de carne em seu prato. Ou em seu carro? Talvez em sua esquina? Será que é em sua moita que de tudo disfarça? Vai ser onde ninguém puder me ouvir gritar.

As pessoas (as muitas pessoas) não compreendem que meu medo é real e aprisionador. O medo de viver que foi impregnado em minha pele. Assim como se impregna o cheiro do esgoto ao corpo dos ratos, que precisam estar escondidos e acuados em buracos para escapar de todos que os veem como um ser dispensável. Ele nada merece além do sofrimento e os ataques por ser quem é. Eu sou o rato!

Também sou mulher que tem a cor e função de ser húmus. Produzida com o dever de ser fertil, fácil, abundante, útil para a agricultura machista que insiste em me alocar onde achar devido para produzir o que for de seu maior interesse. Sou uma escultura de terracota, que esbanja todo sua cor nos museus criados para a degustação masculina. A arte que deve ser apreciada e usada por todos aqueles que se mostrarem mais afim de impor seu direito de tocar quando quiser, levar para onde mais convier, fazer o que seu instinto primitivo disser, me obrigar ao que eu não quiser.

Nasci com um crachá que me rotula como “ser a ser moldado pelo mundo”, de forma que fique mais fácil de ser aceita no mundo. Afinal, o mundo nos fará arrepender de ser diferente do que ele almeja para nós. Mundo, mundo, mundo… Mundo? Nem tanto. Nem todos. Você é diferente, sua amiga pensa de outro jeito, sua vizinha também não quer fazer uso desse rotulo que colocaram em meu crachá. Eu sei, são todas como eu.

O problema não é todo o Mundo, o problema é uma gigantesca parcela dele que insiste em querer molda-lo a sua maneira. O problema esteve em minhas tias que me disseram para andar como moça ao invés de correr feito um cavalo.

” – Parece um menino, tá doido!”

O problema sempre estará nos crachás. São eles que ditam o que você DEVE SER, nunca o que você quer ser. Querer não é poder , afinal. Mas eu quis! Então fiz uso de um pincel permanente para escrever de forma escarranchada em meu peito:

APENAS EU

Eu quis ser, então eu serei. Serei a menina que corre como cavalo/menino, que fala alto, usa samba canção enquanto está na frente do marido e fio dental quando está sozinha em casa.

Serei a feminista, já que ele me deu o tal pincel permanente; serei a dona de casa, porque ninguém mais tem capacidade de cuidar da minha casa melhor do que eu; serei a vadia; a recatada, a chefe, a menina, a mãe, a grossa, a meiga.

Mas sabe o que eu nunca mais vou ser? A presa.

Alessandra Lamunier

Alessandra Lamunier

Absolutamente amadora. Se existir um meio termo entre saber ou não fazer algo, eu estou nele. Contudo, sou cheia de ideias(ais) e, sabendo ou não a melhor forma de me expressar, fico feliz eu transmiti-las a quem interessar.
Alessandra Lamunier

Últimos posts por Alessandra Lamunier (exibir todos)

Comentários

comentários

12 comments

  1. Lívia Santana

    UAU!! Que texto!! Que poético! Mulher, tu escreve muito bem!!!! Parabéns pelo texto incrível e pela reflexão que podemos tirar dele.

    Responder

  2. Ana Lu

    gente que texto. to sem palavras. cara amei demais sério

    Responder

  3. Rafaela Arnoldi

    Nunca mais seremos, e por outro ponto, porque juntas sempre seremos mais. Te admiro, babo pelos seus textos. Por mais pessoas como você, como vocês <3

    Responder

  4. Izabella Azevedo

    Aquele texto que te da um aperto no coração e ao mesmo tempo um conforto com essa junção de palavras fazendo um conjunto poético totalmente condizendo com a realidade, com a minha realidade. ❤❤ Continuo escrevendo amiga, escrever também é resistir.

    Responder

  5. Ana Margarida Silva

    Meu deus, sem palavras, que texto de qualidade! Quem me dera saber escrever assim, de verdade! E para além de estar muito bem escrito acho que realça o importante. Beijinhos, mais uma vez amei! <3

    Responder

  6. Diovana Cougo de Vargas

    Que texto incrivel, lindo, poetico e super empoderador. Nunca mais presa, lutaremos juntas pela nossa liberdade. To apaixonada pelo texto, pela sua escrita e pela sua personalidade. Você arrasa na escrita, vou até compartilhar porque seu texto me representa e tantas outras também irão se sentir assim e também porque muitas pessoas precisam conhecer essa mensagem que você traz no texto. Simplesmente amei e não tenho palavras pra descrever o quanto. Continua trazendo mais textos empoderadores assim, por favor ??

    Responder

  7. Alessandra Lamunier

    Obrigada Lívia. É muito saber saber sua opinião, afinal. você entende.

    Responder

  8. Alessandra Lamunier

    Obrigada Ana. Fiquei muito feliz ao saber que gosto. Obrigada mesmo.

    Responder

  9. Alessandra Lamunier

    Obrigada Rafa. Seu carinhoso é muito especial para nós. Te adoro.

    Responder

  10. Alessandra Lamunier

    Resistiremos sempre não é amiga? Obrigada, de coração.

    Responder

  11. Alessandra Lamunier

    Obrigada Ana <3 > Espero conseguir agradar mais vezes.

    Responder

  12. Alessandra Lamunier

    Nossa, obrigada Diovana. Mostrar ao mundo como as coisas precisam mudar é o foco, assim conseguimos atingir muitos de forma positiva. Obrigada demais!!

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *