Drabble: Angústia

Drabble: Angústia

Quando ainda era muito pequena, aprendera nos livros uma palavra que passou a usar para todos os sentimentos que não sabia explicar: angústia. Mesmo com a descoberta, às vezes ela ainda não se fazia entender. Afinal de contas, não deixava de ser um termo avançado para sua idade, e seus coleguinhas não eram ratos de biblioteca como ela para conhecê-lo.

Demorou a perceber que, no entanto, se enganara por todo esse tempo. Angústia não era um único nome para todos os sentimentos inexplicáveis. E sim o que vivenciava ao não conseguir entender as emoções que cresciam nela, sem explicação.

Continue reading “Drabble: Angústia”

Libertando-me

Estava pensando em plena véspera de aniversário, que muito do meu crescimento emergiu dos meus maiores desalentos. Nos meus desesperados momentos de solidão que eu aprendi a lidar com o jeitinho que a vida tem de nos fazer crescer.

 

Arte Egon Schiele

Músicas tristes, festas, álcool, amores tapa buraco, orações milagrosas, livros de autoajuda. Nada disso, absolutamente nada, me fez evoluir tanto quanto o meu próprio caos pessoal. O meu próprio caos fez com que eu aprendesse o que é a liberdade em sua essência.
Quando tinha 15 anos achava que a liberdade era sair a hora que eu quisesse, aos 18 achei que era apenas me sustentar, agora vejo a liberdade como um estado de alma e não físico.

Quando a dureza do coração se transforma em calmaria e depois em dureza de novo, e calmaria, e por aí em diante até chegar no equilíbrio perfeito onde os sentimentos não são mais necessidades e sim complementos de uma alma que já transborda por si só.
A saudade, as coisas que deixei pra trás, o amor próprio que aprendi a cultivar sem ajuda mas por mim mesma. Admiração,coragem acabaram se tornando fundamentos que construí em meu próprio eu, tornou-me densa. Mais densa do que todos os amores que achei que seriam eternos, do que todas as amizades fogo de palha, de todas as questões vividas que me arrebentavam a alma.
Hoje eu aprendi que a liberdade nasce de mim, do meu amor por mim mesma, na confiança do meu eu, das minhas palavras boas para comigo, e da certeza que a minha felicidade só pode ser dada pelo meu próprio eu, e que ela sempre esteve lá, eu que não tinha fé que meus braços podiam alcançá-la.
A idade não traz diplomas, nem casamentos, nem nada sólido(independente do desejado)  se você não estiver sólida. Se eu não tivesse trocado minhas certezas de boteco por experiências de “óleo quente na ferida” talvez eu nunca estivesse escrevendo esse texto . Quando parei de me culpar, e deixei ir tudo que me podava, quando parei de me comparar com outras vidas e passei a olhar para meu progresso do ontem para hoje foi que me libertei.
É uma delícia a descoberta de que pertenço a mim mesma, que todo ódio e correntes vinham de mim. Hoje sei o que sou, e amo ser essa pessoa consciente de suas escolhas, responsabilidades e principalmente a mulher consciente de não ser apenas completa mas inundada.

Apaixone-se por Rupi Kaur

A poesia construída através dos traumas existenciais do cotidiano trouxe  sucesso a escritora

Foto Divulgação

 

Apesar de ser mais reconhecida por seus versos românticos, sentimentais, muitas vezes ligados à dores de amor Rupi também escreve sobre maternidade, machismo, violência com a delicadeza poética facilitando o reconhecimento por si própria e da sociedade em que vivemos.
Tive contato com a obra da  indiana no final de um relacionamento conturbado e apesar de assumir que realmente sua poética tem pontos clichês, também digo que talvez nunca ninguém tenha traduzido tão bem os sentimentos e o cotidiano como ela fez.

Pessoalmente, senti que Rupi chegou em minha vida em um momento em que eu realmente precisava de suas palavras de amor próprio, sororidade e até mesmo curtir o luto do amor mal acabado. As temáticas voltadas para a depressão, abuso físico e mental estão sempre presentes em sua escrita o que faz com que ler  a Rupi vá muito além de uma experiência sentimental e  transcenda as vitrines da realidade feminina.

O livro fundamental para quem quer se aventurar nas linhas dessa maravilhosa com certeza é o “outros jeitos de usar a boca” só o título da obra já arrebata e faz com que o leitor deseje se afundar ainda mais. Foi através deste que me apaixonei pela escritora ( que também é responsável pelas ilustrações que dão sustentação poética para todas as suas obras).

Para apresentar um pouco essa mulher que arrebatou meu coração que se faz presente na minha vida em diversas situações, separei alguns dos meus poemas e fragmentos favoritos.

 

“O amor vai chegar
e quando o amor chegar
o amor vai te abraçar
o amor vai dizer o seu nome
e você vai derreter
só que às vezes
o amor vai te machucar mas
o amor nunca faz por mal
o amor não faz jogo
porque o amor sabe que a vida
já é difícil o bastante”

“Toda vez que você
Diz à sua filha
Que você grita com ela
Porque a ama
Você a ensina a confundir
Raiva com bondade
O que parece uma boa ideia
Até que ela cresce
E passa a confiar em homens
que as machucam
Porque eles se parecem
Demais com você.”

“Não quero ter você para preencher minhas partes vazias.
Quero ser plena sozinha.
Quero ser tão completa que poderia iluminar a cidade.
E só aí quero ter você, porque nós dois juntos botamos fogo em tudo.”

“Quando você estiver machucada e ele estiver bem longe, não se pergunte se você foi o bastante. O problema é que você foi mais que o bastante e ele não conseguiu carregar.”

Bibliografia da Rupi

                  

Microcosmos

Drabble: Microcosmos

Depois de um longo período explorando o cosmos, chegara a hora de voltar à Terra. O prazer de saltar entre corpos celestes já não mais abafava a saudade de casa.

Tirou o capacete ainda no quintal e colocou-o debaixo do braço para abrir a porta de entrada. Limpou o pó de estrelas dos pés antes de entrar. A mãe não ia gostar se fizesse sujeira.

Mesmo recebida com um abraço quente como uma supernova e um sorriso brilhante como um sol, não pôde evitar sentir certa melancolia. Gostava muito do espaço, afinal. Mas tudo bem: amanhã ela voltaria para lá.

Continue reading “Drabble: Microcosmos”

Corpo em cena

Sinto meu corpo preso na maré de sentimentos.
O equilíbrio que busco a longo prazo me puxa para o fundo do mar.
A âncora é pesada, repleta de durezas e cobranças.

Autopunição
Desrespeito
Intolerância
Se eu deixar, afundo.
Eu já quis.

Não vou mentir, o desespero bate.
A ansiedade e autocobrança em fazer dar certo me imundam.
Eu quero prosperar e alcançar o que acredito,
mas as ondas me puxam com tanta força que eu ainda não consigo domá-las.

Doi.

Sinto meu corpo encharcado não dos respingos da água.
É tudo lágrima.
Vocês me exigem o equilíbrio e a liderança de um ninho fraco.
Eu não sou matriarca.
Sou prole aprendendo a voar.

Para onde carregamos nossos braços quando livres?
Para onde nos levam nossas pernas?
Ainda não sou a leveza do corpo.
Não consigo voar pelo oceano, não consigo boiar sobre as ondas.

 

Foto: Ana Luiza Calmon

 

Pescoço, quando duro, trava o corpo.
Joelho falha quando falta equilíbrio.
Cabeça lateja sempre que falta oxigênio.
E os dentes gritam por voz quando falta expressão.

Meu cabelo quebrou quando faltou amor. Próprio.
Violei meu corpo de todas as formas para fazer tudo certo, para vocês.
Não quero ser boneca de pano vivendo remendada.

Sou inteira, sem retalhos.
Tentam apagar essa luz que vive acesa dia e noite, ensolarado ou nublado.
A luz pode até diminuir sua intensidade de vez e quando, mas ela sempre volta radiante.
É como um farol. O maior guia para um inteiro oceano.

Meu corpo segue preso na maré.
Não afunda, mas também não volta para a terra firme.
Não sou de falsas estabilidades. Tudo pertence ao mar, tudo navega com ou sem ondas.
Meu corpo pode travar e recuar, mas ele sempre avança.

A maré de sentimentos vai e volta, fica cheia e rasa.
Mas eu permaneço aqui.
Viva, forte e iluminada.
Meu corpo segue em cena.

 

Foto: Ana Luiza Calmon
Série One Day at a Time

Dica de série imperdível: One Day at a Time

Quando o assunto é engajamento social e político, a maioria das produções audiovisuais opta por uma ou duas pautas a serem abordadas, muitas vezes para evitar o risco (real) de se criar algo forçado ou raso. São poucas as obras que conseguem trazer múltiplos assuntos relevantes de forma orgânica e bem trabalhada. One Day at a Time (Netflix, 2017) é uma delas.

A série é um reboot da sitcom de mesmo nome exibida entre 1975 e 1984, que relatava o dia-a-dia de uma mãe solteira (vivida por Bonnie Franklin) criando suas duas filhas (Mackenzie Phillips e Valerie Bertinelli) em Indianápolis. A nova versão transformou a família em cubano-americana, com Justina Machado (Six Feet Under) como Penelope, a mãe, Isabella Gomez e Todd Grinnell como os filhos e Rita Moreno (a Anita de West Side Story e ganhadora dos EGOT) como a “abuelita” Lydia.

Série One Day at a Time
Os elencos da série original e do reboot, respectivamente

Continue reading “Dica de série imperdível: One Day at a Time”

Carta para uma versão mais evoluída de mim mesma

 

 

 

Poderia começar dizendo “Olá!”, mas ambas sabemos que eu não falo “olá”. Eu mal falo “oi”, apesar de não saber para qual lado pode ocorrer essa evolução, né. Hoje, nesse momento, as coisas estão em processo, como sempre. Talvez essa seja a hora que eu, ou você, consiga ver que eu posso fazer melhor do que isso, em alguns aspectos, e começar a arrumar a casa daqui.

(Será que daqui 5 anos vou estar morando em um apartamento? Espero que não, mas, se tiver, nada contra.)

Hoje as coisas não estão tão ruins, apesar de ainda ficar meio perdida por alguns momentos, sabe. Eu já consegui listar as coisas que me trazem mal estar – todo tipo de mal estar – e tenho desenrolado um por um, aos poucos, sem pressa, já que a noite é uma criança e, em milhões de aspectos, eu também. Tanto que, mesmo odiando recomeçar, tenho usado o otimismo para assumir que é preciso recomeçar quando se encontra algumas falhas. E pretendo não usar tanto os verbos “odiar/detestar”, porque né, convenhamos, que coisa boa isso pode trazer?

Consegui chegar no consenso de que não vale perder o meu – nosso – tempo falando sobre coisas que não gostamos, e isso inclui tanto vida de vizinhos quanto mal daquela banda ruim. Sabe aquela coisa de que, no fim das contas, não faz diferença? Porque não faz. Eu perder meu tempo para falar mal de alguém ou de alguma coisa não me faz ter mais tempo, não me faz ter mais dinheiro, não me faz ser um ser humano melhor, e é isso que eu tenho buscado nos últimos meses.

Ser um ser humano melhor.

Ser um ser humano que as pessoas possam contar, caso queiram, e que fique em paz com as escolhas que faz, porque hoje, especificamente, as coisas ainda não funcionam assim.

Só quero que você saiba que hoje eu estou tentando. Em vários sentidos, para vários lados. Quero que você saiba que hoje a vida anda meio bagunçada, e eu sei que você vai lembrar disso quando ler. Sei que você vai lembrar das dúvidas que rodeiam a minha cabeça, dos fantasmas que eu ando encarando no espelho, da falta de apoio que, nesse momento, é latente.

Mas eu não vou parar.

Apesar dos pesares, do medo, da vontade de fugir, eu não vou parar.

Nós merecemos coisas muito maiores do que eu tenho nesse exato momento, e eu sei que você vai ficar grata à essa adulta sem muita experiência por continuar tentando.

E, por favor, não alugue um apartamento. Se você estiver morando em um apartamento, receio não poder ter um gato, e eu quero muito ter um gato.

A gente se vê daqui uns anos.

Megan.

Contos Aleatórios sobre elas – Adessa

Adessa

 

Primeira Parte

A dúvida toma conta de cada passo que dou. Talvez eu devesse ter dado ouvidos a Tia Marli, ela estava certa, vir aqui foi um erro.

_ Boa noite senhorita, posso apanhar o seu casaco?

_ Ah sim, obrigada.

_ Adessa, você veio!

Tudo o que eu queria era chegar e ficar escondida em um canto, mas com essa sorte que tenho, claro que a escandalosa da Lola seria a primeira a me notar.

_ Olá Lola. Como você está?

_ Estou ótima! Melhor agora por saber que você e a Laura conseguiram se entender.

Falsa.

Continue reading “Contos Aleatórios sobre elas – Adessa”

Corpo infinito

Meu bem, quero te mostrar uma coisa:

Meu corpo.

Vem que eu te deixo tocar cada dobra, passar seus dedos em cada curva, volume, cada linha que me desenha. Eu te quero é me desenhando com suas mãos, sentindo minha pele arrepiar com seu toque. Te deixo apertar minha bunda com toda força, mas tem que mostrar que gosta, que minha bunda é gostosa desse jeito mesmo. Te deixo morder minhas coxas grossas e depois ir subindo aos poucos, me deixando tensa de tesão, dentro de mim. Eu tenho lábios lindos – em cima e embaixo, externo e interno. São carnudos, macios e ultra sensíveis. Se você quiser, te deixo fazer um estrago com eles, você vai ficar louco. Nego, quero sentir seu corpo quente ao meu, pele com pele, mão com mão, peito com peito, órgão com órgão. Entra e sai, entra e fica, sai e volta. Fundo. Profundo.

Continue reading “Corpo infinito”

Algo sobre Carolina Maria de Jesus

 

Há dias que fiquei ruminando pensamentos sobre como poderia expressar em palavras o que a escrita de Carolina me fez sentir, falar sobre os efeitos dos ecos que cada palavra escrita por ela reverberou em meu ser.

Poderia aqui falar a partir de uma perspectiva social baseando-me nas denúncias feitas por Carolina à uma realidade que ainda se faz presente- a realidade cruel vivida pelo povo negro, pobre, a realidade do quadro político do Brasil- o mesmo desavergonhado e perverso de hoje ou me ater à perspectiva feminista- sim, Carolina era feminista, um feminismo não acadêmico ou teorizado, mas fruto de uma experiência de vida, um feminismo de uma mulher que também foi “macho”, um feminismo honesto de uma mulher que ousava, sempre que possível, driblar o próprio machismo e fugir da linha reta e inflexível traçada pelo patriarcado.

Continue reading “Algo sobre Carolina Maria de Jesus”